A loba e o surdo

Certamente alguns leitores nacionais haverão de dizer que sou bairrista, ou mesmo outros, levados pela discriminação aos nordestinos, poderão dizer que estou errado. Contudo, paixões regionalistas a parte devo dizer que, na minha opinião, Alcione é a maior cantora do Brasil. Digo isso não somente pela voz marcante, mas pela qualidade do repertório que soube escolher e que lhe garantiu a notoriedade além fronteiras que conquistou. Ela é, sem dúvida ou falsa modéstia, uma força da natureza.

Nascida Alcione Dias Nazareth, a filha do músico e posterior maestro da banda da Polícia Militar do Maranhão João Carlos, desde cedo mostrava ser um prodígio e sua inclinação para o sucesso. Multi-instrumentista, ganhou o Maranhão com sua voz espetacular e através dela conquistou o Brasil. Hoje, não existe um único artista vivo no nosso Pais que não lhe renda homenagens, e não por acaso é figura constante nos programas de televisão.

Em que pese resida no Rio de Janeiro já a muitos anos por necessidades profissionais, ela é presença constante em São Luís do Maranhão, de onde segue para o interior do Estado para enfeitiçar os maranhenses com sua inigualável voz. Lembro, contudo, de certa vez ter ouvido um jornalista americano dizer que Alcione seria a Dione Warwick brasileira. Data vênia, a comparação não é justa. A voz de Alcione é muito superior.

Sua discografia sempre povoou a vida dos brasileiros, sendo inúmeros os seus sucessos que conquistaram o Brasil através das telenovelas. Contudo, a Loba (ou o lobo se trazido para a interpretação masculina), parece ser uma verdadeira receita sobre o bem viver em casal e mostra a importância de uma vida sem traições. Diz a letra:

Sou doce, dengosa, polida

Fiel como um cão

Sou capaz de te dar
Minha vida…Mas olha
Não pise na bola
Se pular a cerca
Eu detono
Comigo não rola…Sou de me entregar
De corpo e alma na paixão
Mas não tente nunca
Enganar meu coração
Amor pra mim
Só vale assim
Sem precisar pedir perdão…Adoro sua mão atrevida
Seu toque, seu simples olhar
Já me deixa despida
Mas saiba que eu
Não sou boba
Debaixo da pele de gata
Eu escondo uma loba…Quando estou amando
Eu sou mulher de um homem só
Desço do meu salto
Faço o que te der prazer
Mas, oh! meu rei
A minha lei
Você tem que saber…Sou mulher de te deixar
Se você me trair
E arranjar um novo amor
Só pra me distrair…Me balança mas não me destrói
Porque chumbo trocado não dói
Eu não como na mão
De quem brinca
Com a minha emoção…Sou mulher capaz de tudo
Pra te ver feliz
Mas também sou de cortar
O mal pela raiz…Não divido você com ninguém
Não nasci pra viver num harém
Não me deixe saber
Ou será bem melhor prá você
Me esquecer…

Adoro sua mão atrevida
Seu toque, seu simples olhar
Já me deixa despida
Mas saiba que eu
Não sou boba
Debaixo da pele de gata
Eu escondo uma loba

Quando estou amando
Eu sou mulher de um homem só
Desço do meu salto
Faço o que te der prazer
Mas, oh! meu rei
A minha lei
Você tem que saber…

Sou mulher de te deixar
Se você me trair
E arranjar um novo amor
Só pra me distrair…

Me balança mas não me destrói
Porque chumbo trocado não dói
Eu não como na mão
De quem brinca
Com a minha emoção…

Sou mulher capaz de tudo
Pra te ver feliz
Mas também sou de cortar
O mal pela raiz…

Não divido você com ninguém
Não nasci pra viver num harém
Não me deixe saber
Ou será bem melhor prá você…

Sou mulher capaz de tudo
Pra te ver feliz
Mas também sou de cortar
O mal pela raiz…

Não divido você com ninguém
Não nasci pra viver num harém
Não me deixe saber
Ou será bem melhor prá você
Me esquecer…” 

As baladas românticas como a Loba, contudo, não foram a razão do seu destaque nacional. A Marrom, como ficou conhecida, conquistou o Brasil através do samba e de sua identificação com a escola Estação Primeira de Mangueira. O berço musical carioca adotou a maranhense de voz marcante e fez dela um difusor do que de melhor havia na musicalidade de raiz. Dos seus incontáveis sucessos, um, contudo, marca uma relação intimista entre o samba e o sentimento. A sua cadência profunda fez de “O surdo” um sucesso nacional e da estória de diálogo com o instrumento um verdadeiro desfile de sensibilidade, principalmente quando diz que “eu bato forte em você e aqui dentro do peito uma dor me destrói, mas você me entende e diz que pancada de amor não não dói”. Senão vejamos:

“Amigo, que ironia desta vida

Você chora na avenida

Pro meu povo se alegrar

Eu bato forte em você

E aqui dentro do peito uma dor

Me destrói

Mas você me entende

E diz que pancada de amor não dói

Eu bato forte em você

E aqui dentro do peito uma dor

Me destrói

Mas você me entende

E diz que pancada de amor não dói

Meu surdo parece absurdo

Mas você me escuta

Bem mais que os amigos lá do bar

Não deixa que a dor

Mais lhe machuque

Pois pelo seu batuque

Eu dou fim ao meu pranto e começo a cantar

Meu surdo bato forte no seu couro

Só escuto este teu choro

Que os aplausos vêm pra consolar

Amigo, que ironia desta vida

Você chora na avenida

Pro meu povo se alegrar

Eu bato forte em você

E aqui dentro do peito uma dor

Me destrói

Mas você me entende

E diz que pancada de amor não dói

Eu bato forte em você

E aqui dentro do peito uma dor

Me destrói

Mas você me entende

E diz que pancada de amor não dói

Meu surdo, velho amigo e companheiro

Da avenida e de terreiro,

De rodas de samba e de solidão

Não deixe que eu vencido de cansaço

Me descuide desse abraço

E desfaça o compasso do passo do meu coração

Amigo, que ironia desta vida

Você chora na avenida

Pro meu povo se alegrar

Eu bato forte em você

E aqui dentro do peito uma dor

Me destrói

Mas você me entende

E diz que pancada de amor não dói

Eu bato forte em você

E aqui dentro do peito uma dor

Me destrói

Mas você me entende

E diz que pancada de amor não dói…

Meu surdo parece absurdo

Mas você me escuta

Bem mais que os amigos lá do bar

Não deixa que a dor

Mais lhe machuque

Pois pelo seu batuque

Eu dou fim ao meu pranto e começo a cantar

Meu surdo bato forte no seu couro

Só escuto este teu choro

Que os aplausos vêm pra consolar

Meu surdo, velho amigo e companheiro

Da avenida e de terreiro,

De rodas de samba e de solidão

Não deixe que eu vencido de cansaço

Me descuide desse abraço

E desfaça o compasso do passo do meu coração” 

Hoje eu tive a oportunidade de sentar com meus pais e alguns familiares para comemorar a aprovação da minha filha Vanessa em Direito, consoante narrei em A número 1. Depois que todos foram embora, fiquei a colocar músicas e a relembrar a minha aprovação no Vestibular da Universidade Federal do Maranhão. Lembrei também da minha infância feliz no bairro do Ipase, dos amigos queridos que lá cultivei, das quitandas do Zeca e de seu Lulu, e da vizinhança amiga com o bairro do Maranhão Novo aonde morava Ivone, irmã de Alcione. Foi lá que elas criaram o bloco de carnaval “as esbandalhadas” e pra onde a grande intérprete sempre ia quando vinha ao Maranhão. Pelo alvoroço sempre sabíamos que ela estava na área.

Alcione cantou o Maranhão como ninguém. De “todos cantam sua terra” a “Maranhão, meu tesouro, meu torrão”, passando por “de Teresina a São Luís” sua voz mostrou ao Brasil sua terra natal. Contudo, foi cantando “Olho D`agua” que sua música me tocou mais forte. Recém formado, passei o ano de 1994 morando em Brasília para fazer um curso de especialização em Direito Processual Civil. Nessa época, conheci o disco “Alcione: profissão cantora”. Ele trazia essa faixa que embalou minha vida por muito tempo, devido a letra que referenciava o desejo de voltar de quem estava longe:

“(Uôôôôôôôôôô…)

Vou voltar para o mar do Maranhão
Lá bem longe onde o céu caiu no chão
Praia aberta, chão de mar
Sorte certa, meu lugar,
saudade bateu, me fez voltar

Praia aberta, chão de mar
Sorte certa, meu lugar,
saudade bateu, me fez voltar

Vou ligeiro pra encontrar
um menino pescador, da canoa azul
perdida, nas idas do azul do mar

Vou correndo pra beijar
a Rosinha, minha flor,
menina do amor primeiro
de um Janeiro que passou
menina do amor primeiro
de um Janeiro que passou

Quem me dera que o mar do Maranhão
todo ele coubesse em minha mão,
eu roubava sem pensar suas águas, seu luar
e os olhos de alguém que deixei lá
eu roubava sem pensar suas águas, seu luar
e os olhos de alguém que deixei lá

Vou correndo pra beijar
a Rosinha, minha flor,
menina do amor primeiro
de um Janeiro que passou
menina do amor primeiro
de um Janeiro que passou

Quem me dera que o mar do Maranhão,
todo ele coubesse em minha mão,
eu roubava sem pensar suas águas, seu luar
e os olhos de alguém que deixei lá
eu roubava sem pensar suas águas, seu luar
e os olhos de alguém que deixei lá

(Uôôôôôôôôôô…)”

Entre a Loba e o surdo, minhas lembranças me levaram ao reencontro com um tempo que não volta mais. Um tempo de samba, de som, de balada e de amor. Um tempo de viver a vida sem pensar só no amanhã. Em tudo estava a voz inconfundível da maior intérprete do Brasil. Vida eterna pra ti, Alcione Nazareth, profissão: cantora.

Anúncios