35 anos depois e eu ainda choro

Eu tinha apenas 12 anos quando tudo aconteceu. Lembro de uma atmosfera diferente de 1978. já não teríamos mais Rivelino e nem Nelinho e Leão já não seria o nosso goleiro. Contudo, ninguém tinha dúvida de que teríamos uma chance enorme de ganhar a copa da Espanha, já que tínhamos certeza de que a copa da Argentina tinha sido tomada de nós pela força do regime militar daquele País. O que nós dava a certeza? tínhamos um esquadrão inigualável, capitaneado por um treinador que jogava pra frente.

Telê Santana conseguiu aquilo que muitos julgavam improvável. Montou uma equipe de craques que privilegiava a posse de bola e os deslocamentos constantes com passes curtos. A vocação para o ataque deslumbrou o mundo e não existia um único amante do futebol que não acreditasse que chegara a hora do tetra. Estávamos preparados e dando show. O time formado por Waldir Peres, Leandro, Oscar, Luizinho e Júnior, Toninho Cerezo, Falcão, Sócrates, Zico, Serginho Chulapa e Éder Aleixo tinha tudo para dar certo.

Screenshot_20170721-194342

Waldir era o titular do gol do São Paulo (tinha na boa colocação e elasticidade seus pontos fortes, além de ser um exímio pegador de penaltis); Leandro era o melhor lateral direito que o futebol produziu; Oscar do São Paulo e Luizinho do Atlético formavam uma zaga sólida e na lateral esquerda estava o maestro Junior; Toninho Cerezo era uma cabeça de área que desarmava, mas que também sabia sair jogando e tinha ao seu lado Paulo Roberto Falcão, o Rei de Roma, que com classe distribuia o jogo e levava a equipe ao ataque; na meia direita tínhamos a eficiência e a genialidade do Dr. Sócrates e na meia esquerda estava ninguém menos que o inigualável galinho de Quintino, o maior ídolo da história do Flamengo. Zico era a inspiração para todos de como tratar a bola com carinho; No ataque tínhamos o goleador Serginho Chulapa, centro-avante rompedor e na ponta esquerda o eficiente Éder. Não tinha como dar errado. Foi uma sequência poucas vezes vistas de extraordinária demonstração de como jogar um bom futebol.

No primeiro jogo vencemos por 2 x 1 (gol de Sócrates e Éder) a União Soviética que tinha o maior goleiro do mundo, ninguém menos que Dasaev, o qual inspirou e muito um certo jovem de 12 (doze) anos que pretendia ser Jogador de Futebol. Lembro que nas peladas no bairro do Ipase, ao defender a bola eu gritava, imitando o narrador Luciano do Vale: defendeuuuu Dasaev.

No segundo jogo vencemos a Escócia por 4 x 1. Foi um passeio, com gol de Zico, Oscar, Éder e Falcão.

No terceiro jogo da primeira fase demos outro espetáculo, vencendo a Nova Zelândia por 4 x 0 com dois gol de Zico, um de Falcão e outro de Serginho. Classificamos para a segunda fase em primeiro lugar, seguidos pela União Soviética.

Na primeira partida da segunda fase vencemos nossos vizinhos argentinos por 3 x 1 com gol de Zico, Serginho e júnior. A seleção argentina tinha como base a seleção campeã de 1978, contando com Filiol, Olguin, Galvan, Passarella e Tarantini, tendo ainda craques como Ardiles, Bertoni e Kempes, além do magistral Diego Maradona. Entraram na taca.

No dia 05 de julho de 1982 entramos para aquele jogo que ficaria conhecido como o desastre do Sarriá (estádio aonde ocorreu a final da Copa). Disputaríamos a final contra a Itália do grande Dino Zoff e do goleador Paolo Rossi, que sequer iria disputar a Copa por ter estado suspenso em decorrência de envolvimento com a máfia das loterias. Antes tivesse ficado de fora. Fez os três gols que sofremos na derrota por 3 x 2 (para nós marcaram Sócrates e Falcão. Jogávamos pelo empate e infelizmente não conseguimos mantê-lo quando empatamos o jogo aos 68 minutos. Aos 74 minutos, a Itália trabalhou a bola e Paolo Rossi marcou o gol da vitória.

Chorei muito e choro até hoje quando lembro do jogo ou vejo a reprise dos jogos. Recentemente Pepe Guardiola (um dos maiores treinadores de futebol do mundo),  ao ser perguntado por um jornalista brasileiro sobre a dinâmica de jogo de suas equipes, afirmou que os brasileiros ensinaram isso ao mundo com a Seleção de 1982. O futebol mundial nunca mais foi o mesmo a partir do Sarriá. Privilegiou-se por um tempo o futebol força em detrimento do futebol arte que fora derrotado. Contudo, até hoje, a Seleção brasileira de 1982 é reconhecida como a melhor de todos os tempos, melhor até que a Seleção de 1970 que contava com a genialidade de Pelé, Tostão, Rivelino e Gerson.

Quanto a mim, demorei 15 (quinze) dias para consegui terminar esse texto. Lembro que do meio das lágrimas que derramava naquele fatídico dia, vi a figura do meu pai levantando da sala e se dirigindo para o seu quarto também chorando. Foi a última vez que ele, um aficcionado torcedor, assistiu com a família um jogo de futebol.

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s