Os filhos eternos

Uma das grandes verdades sobre a minha pessoa é que sou extremamente emotivo e existem momentos e motivos que fazem aflorar essa emoção. Na noite de ontem não foi diferente. Enquanto fazia uma pesquisa para fechar uma nova tese que estou desenvolvendo em defesa de um cliente, acompanhei o início do filme exibido pela Rede Globo, “o filho eterno”, o qual narra as dúvidas e o aprendizado de um jovem casal que tem um filho, o primeiro e único da relação, portador de Síndrome de Down. Ainda bem que estava no fim da minha busca e pude assistir a essa bela película nacional.

A interpretação marcante de Paulo Veras como o escritor Roberto e de Débora Falabella como Cláudia, mãe do pequeno Fabrício (Pedro Vinicius), me tocou profundamente. É indiscutível que a descoberta de que seu filho possui uma síndrome de nascimento não pode ser tida como um fato corriqueiro. Claro que os pais vão procurar obter todas as informações possíveis sobre o assunto e a tendência natural é a busca por uma cura ou mesmo por melhoria da condição de vida da criança. Claro também que existem exceções. Alguns não conseguem segurar a barra e se acovardam e somem. Outros se tornam indiferentes e egoístas e outros resolvem lutar.

A Síndrome de down, mais corriqueira, ou o autismo, ou uma infinidade de outras (são milhares), são objeto de estudo de geneticistas, pedagogos, fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais, enfim, inúmeros especialistas, cada qual para tratar de um seguimento relacionado ao tratamento e evolução das síndromes mas, sem dúvida, os maiores especialistas precisam ser os pais. São eles que terão o dever de acolher, cuidar e orientar quando eles mesmos ainda estarão em um eterno aprendizado. Para tanto, trocar informações com outros pais, se organizar em grupos ou associações é muito importante e dentro desse contexto a APAE, Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais, tem sido, ao longo dos anos, um exemplo de dedicação no aprimoramento de tudo o quanto necessário para o enfrentamento da questão. São excepcionais por serem fantásticos. São verdadeiramente especiais. 

Lembro que em uma viagem de férias eu e minha família encontramos um casal cujo filho era autista em grau elevado, o que demandava dedicação exclusiva à criança que, pela gravidade do quadro clínico, em dados momentos se tornava agressiva, o que ensejava o uso de uma medicação muito forte. Em uma conversa iniciada por mim nos revelaram o quanto era difícil para eles ver no semblante das pessoas suas impressões sobre o filho ou sobre seus atos, como por exemplo quando a esposa foi recriminada por uma hóspede do hotel por tomar uma taça de vinho. Agir com naturalidade ajuda muito e procurar compreender tudo o quanto circunda a vida dos envolvidos mais ainda.

Eu tive grande admiração pelo professor Expedito Alves de Melo e pelo trabalho que desenvolveu à frente da APAE e depois na Faculdade Santa Terezinha-CEST com seus cursos voltados para o amparo de portadores de síndromes. Hoje se sabe, por exemplo, que as crianças com Síndrome de Down podem ser alfabetizadas e se desenvolver nos estudos, podem namorar e casar, podem trabalhar e produzir. Sabe-se hoje que o autismo possui várias graduações e que alguns são considerados verdadeiros gênios. Cada qual com sua especificidade. O mundo não acaba se seu filho nasce com uma síndrome e você não precisa morrer por causa disso. O mundo renasce para você em outra perspectiva. Você passa a ver o mundo de outra forma. Renasça com seu novo mundo. Existe alguém que precisa do seu renascimento e do seu amor. Foi o que aconteceu com o craque de futebol Romário. Ele se reinventou quando sua filha Ivy nasceu com Síndrome de down e se tornou uma voz no parlamento para lutar pelo direito dos portadores de síndromes. Um grande exemplo.

No final do filme, o personagem Roberto, um apaixonado por futebol que para de assistir os jogos por achar que seu sonho do filho jogar nunca se concretizará, assiste com ele parte da final da copa de 1994. Naquele momento ele redescobre seu gosto pelo esporte e que tem um filho maravilhoso. Chorei em bicas. Ele renasceu. Renasçam também. Vocês tem um filho que será sempre seu. Que poderá ser ou não uma criança para o resto da vida. São filhos eternos que poderão ou não precisar de vocês para sempre. Do seu apoio e, principalmente, do seu verdadeiro amor. Ame seu filho incondicionalmente.

Anúncios

4 comentários sobre “Os filhos eternos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s