O silêncio da partida

O ano de 2018 não começa bem no que tange ao elemento vida. Pessoas que em algum momento cruzaram meu caminho seguem agora para outro plano deixando aqui o silêncio de sua partida e a dor da saudade junto aos seus entes queridos.

Logo no dia 1 de Janeiro faleceu o Deputado Estadual e Ex-Prefeito de Caxias Humberto Coutinho. Tempos atrás ele precisou da minha ajuda. Um amigo querido intercedeu por ele. Eu lhe estendi a mão. Ele nunca me agradeceu, mas mesmo assim senti sua partida. Acho que não tenho sorte com os políticos de Caxias. Ainda tenho esperança em Paulo Marinho. Ele esteve em minha casa um pouco antes das eleições para Prefeito e me pôs ao telefone com um cidadão que me garantiu que o que o Paulo contratasse estava contratado. Ainda espero o  cumprimento da palavra empenhada.

Ontem partiu também a senhora Linda Araujo, tia da minha esposa e mãe da prima Simone Araujo. Dela guardo a recordação do quanto fui bem recebido por ela quando estive em Recife pela primeira vez. Uma perda muito sentida por todos que a conheceram.

Também no primeiro dia do ano faleceu Jorge Cunha, Vereador e ex-Presidente da Câmara de Apicum-açu, irmão do Prefeito Cláudio Cunha. Foi assassinado por ter se recusado a dar R$ 2,00 (dois) reais para um cidadão. Fica do seu passamento a reflexão de que até para se negar a dar dinheiro é preciso ter cuidado. O ajudei em um momento de minha vida. Ao seu irmão em vários outros. Da minha boa acolhida restou a ingratidão e a falsa consideração.

Por fim, na data de hoje faleceu, vítima de infarto, o professor de handebol José Pinheiro Silva, ex-coordenador de esportes do Colégio Dom Bosco e Presidente da Federação desse esporte. Lembro com carinho dele. Substituiu Álvaro Perdigão na coordenadoria do Dom Bosco e com ele tive uma respeitosa convivência. Ele acompanhou de perto minhas conquistas no esporte. Também esteve comigo no meu momento mais difícil que foi nas minhas contusões durante os jogos estudantis brasileiros-JEBS, de 1987. Ele dizia que nunca tinha visto um atleta sofrer tanto para se recuperar de uma contusão e disputar um torneio quanto eu sofri e lamentou profundamente a contusão final que me tirou dos jogos após a quarta partida.

Screenshot_20180102-190207

Pinheiro deixa um enorme legado para o handebol maranhense. Descobriu inúmeros atletas e lapidou outros. Por suas mãos passaram craques que integraram a Seleção Brasileira tanto masculina quanto feminina. Passávamos anos sem nos ver, mas o respeito mútuo se mantinha mesmo assim. Ele esteve conosco na festa do jubileu de ouro do Dom Bosco e acompanhou o jogo que promovemos para relembrar nosso bicampeonato. Ano passado nos reencontramos no aeroporto. Conversamos longamente, relembramos amigos comuns e grandes momentos do desporto maranhense. Guardarei comigo essas boas lembranças. Por hora, fica o silêncio da partida.

Que todos descansem em paz. 

Anúncios