Por um Brasil verde e amarelo

Eu passei todo o dia de hoje na expectativa de que algo diferente ocorresse que pudesse mudar o meu pessimismo sobre boa parte das pessoas que habitam nosso querido Brasil. Ledo engano. De ontem para hoje só encontrei motivos para continuar descrente em tudo, notadamente nas pessoas e em seus governantes. Maranhense que sou, vejo com tristeza nosso atual Governador, já reeleito, proferir as análises mais negativas sobre o Governo Bolsonaro que sequer assumiu, numa clara tentativa de promoção pessoal visando, pasmem vocês, as eleições de 2022. Vai procurar trabalhar, cidadão!

Screenshot_20181110-013121_Gallery

O Maranhão viveu do ano passado pra cá o verdadeiro milagre econômico. De um estado quebrado, consoante discurso do Governador em Caxias (recebeu o estado com cerca de dois bilhões em caixa) a um estado próspero de grandes obras de asfaltamento, muitos convenios nos mais variados segmentos e muito dinheiro circulando distou apenas uma pre-campanha e uma campanha. Agora, o que temos é novamente o discurso da terra arrasada que não terá dinheiro nem mesmo para pagar os aposentados, consoante amplamente divulgado pela imprensa. O recurso do fundo que garantia às aposentadorias (segundo consta mais de 1 bilhão de reais) foi sacado e aplicado em outras coisas que não o pagamento dos aposentados e agora a culpa é da crise e do Temer? Me compre outro bode. Pelo menos mudou o discurso: a culpa já não é mais dos Sarneys. Hehehe. Só sorrindo de mais uma desgraça dessas.

Semanas atrás, conversando com meus alunos de eleitoral, cheguei a afirmar que o problema do Brasil estava nos partidos políticos: Organizações que recebiam e recebem pessoas voltadas para o benefício de si próprios, raramente do povo. São inúmeras vezes institutos axilar – de axila (suvaco) mesmo -, destinados à comercialização de legenda em troca de apoio ou voto. Reflito agora que o problema também está nos oportunistas que fazem do quanto pior, melhor, sua plataforma política. O resultado disso são os petrolões e mensalões da vida, dentre outros.

Hoje descobri que é endêmico. No centro de tudo a velha rotina do é dando que se recebe. Cansei disso. Chega de parasita se dar bem e ganhar sem trabalhar. Chega de aluguéis camaradas em que uns poucos ganham pela amizade com outrem e não por desenvolverem um trabalho que mereça remuneração. É preciso repensar o Brasil, um País de um potencial enorme que foi saqueado, nos últimos anos, por agentes políticos que só queriam se locupletar, segundo a lava-jato.

Já me manifestei inúmeras vezes sobre o conceito de propina e suas derivações e sempre reafirmei que nem toda doação de campanha seria propina. Contudo, inegável os avanços no combate à corrupção decorrentes dessa verdadeira cruzada verde e amarela.

Nos dias de hoje, vejo um Presidente eleito tentando acertar, retrocedendo quando necessário e avançando com coturno e baioneta quando necessário. Está montando um Ministério de pessoas qualificadas e não me venham aqui jogar pedra nem no Onix Lorenzoni e nem no Magno Malta. Foram soldados valorosos da campanha e podem contribuir, e muito, com o novo Governo. Seus pecados nem de longe se aproximam dos pecados dos integrantes da facção vermelha que recebe ordens de dentro do presídio. Seu propósito tem sido nobre há mais de quatro anos, construindo um projeto de restauração do orgulho Nacional, um projeto verde e amarelo que tem num capitão do exército, parlamentar incorruptível, o timoneiro de uma revolução silenciosa de reestruturação de um País e de uma nação.

Screenshot_20180908-001459

Já tinha ouvido críticas à escolha do Onix, do Paulo Guedes, do nosso astronauta Marcos Pontes, até do General Heleno. Silenciei. Cada um fala o que quer e de acordo com sua formação e convicção.  Agora, ouvir pessoas inteligentes e estudadas questionarem a escolha do Sérgio Moro para Ministro da Justiça pra mim foi demais. Parafraseando nosso Presidente eleito quando questionado sobre Pedrinhas (nosso spa de santinhos, leia-se presídio), “se tu não quiseres cair nas mãos do Moro é só tu não entrar pra bandidagem, não ser corrupto, não desviar dinheiro público, não infringir a lei, porra!”. Moro é um ícone de decência e a credibilidade do seu nome, não por acaso, fez a bolsa de valores atingir patamares inéditos.

Screenshot_20181110-025630_WhatsApp

Dizer que Moro tirou Lula da disputa é outro absurdo. Lula ficou fora porque sancionou uma lei pessimamente redigida para atender aos holofotes da imprensa e porque a decisão do Moro foi confirmada e ampliada pelo Tribunal Regional Federal da 4. Região. Simples assim. Aceitem que dói menos seus babacas. Lula tá preso por corrupção e lavagem de dinheiro e a cúpula do PT também. Lula será condenado, também, pelo sítio de Atibaia e talvez pelo terreno do Instituto Lula. Isso é perseguição? Não. Basta ouvir os depoimentos do Palocci para se concluir que o Brasil foi feito de besta. Ele sabia de tudo e era ele quem operava os esquemas. Todos são inquilinos dos presídios nacionais, seja a Papuda, Bangu ou qualquer outro e muitos ainda vão se juntar a eles.

É bom já irem se acostumando. A porca vai torcer o rabo e o pau vai cantar na casa de Noca. Com prudência vai sendo construído um novo contexto político que tem o Brasil acima de tudo e Deus acima de todos.

Screenshot_20181028-200150_WhatsApp

Em vez de ficar torcendo contra, venham trabalhar por um novo Brasil. Aqui no Maranhão temos potencial para ajudar nessa transformação. Temos um Estado com grande potencial turístico,  terras férteis, um porto fantástico que é o segundo mais profundo do mundo, temos uma estrutura multimodal que favorece a implantação de indústrias, temos a base aérea de Alcântara, um povo trabalhador, e muito mais. Temos o projeto da ZEMA de autoria do Senador Roberto Rocha que pode ser o grande diferencial no projeto do Presidente Bolsonaro de não sermos mais apenas exportadores de minério e matéria prima. Enfim, podemos contribuir. Tenham fé, coragem e vontade de vencer. Temos um País verde e amarelo, azul e branco para reconstruir. Sejamos novamente um só.

Todos pelo Brasil.

Anúncios