Um quarto que valeu um inteiro

Ninguém desconhece a minha condição de rubro-negro. Sou torcedor do Flamengo, Vitória, Sport, Flamengo do Piauí e Moto Clube. Quando muito, de outra cor, me permito torcer para o Palmeiras, Cruzeiro e Grêmio, mas no que se refere ao meu Estado natal torço para o seu representante em competições nacionais, mas se este for a piaba colorida sequer pronuncio seu nome. Definitivamente não cairia bem.

O certo é que já tem algumas semanas que acompanho a participação do time local no campeonato brasileiro de basquete feminino organizado pela Liga Nacional de Basquete. Vibrei como um bom maranhense, mas não sei deixar de lado o olhar crítico de quem já jogou basquete algum dia. Tá certo que não fui nenhum craque, mas para opinar não é preciso ter sido.

Screenshot_20180529-233327

Observei, sem grande esforço, que o time trabalha nas ações diretas da Brihana Jackon, a BJ, da Tati e da Vitória, cabendo às pivos que se revezam a responsabilidade pela excelente defesa e trabalho no garrafão. No papel tudo ótimo, mas na prática hoje não deu certo e na minha opinião o responsável direto foi o nosso treinador Virgil. Vou explicar porque penso assim.

Screenshot_20180529-233215

Nas últimas partidas tinha ficado claro que o time sofre apagões momentâneos e que o treinador não sabe reverter o problema com brevidade. O time sangrava até quando acordava para a realidade. Ontem não foi diferente, a não ser por um fator determinante: enquanto nos demais jogos elas abordavam naturalmente a situação a ponto de reverter o placar, ontem não foi assim. O primeiro e o segundo quarto do jogo das nossas meninas foi brilhante (a partida é dividida em quatro quartos de tempo), chegando mesmo a estar 12 (doze) pontos à frente no placar. Até então sempre que a equipe paulista esboçava uma reação o nosso treinador pedia tempo e corrigia a equipe, o que extraiu de mim rasgados elogios. Contudo, no terceiro quarto o leite desandou. Elas tiveram um apagão tamanho que chegou à comissão técnica. O Virgil só pediu tempo quando as adversárias empataram o jogo e aí, meus caros, foi tarde demais. A apatia era visível ao ponto de observarmos lances dignos do inacreditável, como por exemplo retomar a bola na defesa e devolver de graça nas mãos da oponente gerando em seguida ponto para as paulistas.

Com uma defesa individual pressionando a saída de bola, as meninas do Campinas sufocaram as integrantes do representante maranhense que, mesmo impulsionado pela enorme torcida que compareceu em peso lotando o Ginásio Castelinho, demonstrava não saber o que fazer, enquanto o técnico se mantinha agachado, sem postura de líder e sem uma orientação básica que até em pelada sai com naturalidade: gira a bola rápido para deixar a craque livre para resolver com arremeços de três pontos. Faltando menos de 5 (cinco) minutos para acabar o jogo estávamos trabalhando a bola para esgotar o tempo de posse como se estivéssemos vencendo, quando na verdade perdíamos por 9 (nove) pontos. Uma pena. Foi uma noite frustrante para os mais de cinco mil maranhenses que estiveram no Ginásio. O pior é que agora a quinta partida da final será em São Paulo, longe da calorosa e vibrante torcida boliviana.

Screenshot_20180529-233025

Com certeza alguém molhou os membros inferiores na chuvosa noite de ontem e levou seu pé frio para o Ginásio. Me compre mais um bode, senhor técnico. Afinal, sua falta de comando no terceiro quarto nos valeu o jogo inteiro e agachado no 4 (quarto) quarto só demonstrou pra equipe que havia jogado a toalha e desistido do jogo. Postura de vencedor, no esporte, é meio gol como se diz na gíria do futebol.

Que o caneco venha de São Paulo, já que não foi possível liquidar a fatura por aqui. Pra finalizar, gostaria de dizer pra torcida da piaba colorida que “vamos virar paioooo” é o canto da cozinheira quando está trabalhando. Afinal, paio é ingrediente de feijoada. Hehehe.

Anúncios

Os argentinos vão entrar é na taca

Uma das grandes características do torcedor do Flamengo é o pensamento positivo. Para nós não existe meio termo. Jogamos sempre pra vencer e temos a certeza de que se deixar o Mengão chegar na final o caneco é nosso. Nosso destino é a vitória e a derrota, nas poucas vezes que ocorre, é mero acaso, infortúnio momentâneo decorrente de uma falha pontual.

No dia de hoje, a nação rubro-negra está em festa. Afinal, tivemos uma vitória convincente, fora de casa, sobre uma grande equipe. Contudo, nossa superioridade foi inquestionável. De tudo, convém destacar uma atuação impecável do goleiro César, um gigante em campo após dois anos de inatividade; uma zaga improvisada por Juan e Rodolpho, que jogou como se fosse a titular a muitos anos e Felipe Vizeu, o qual mostrou ter o faro para o gol. Tínhamos muitos desfalques, mas acima de tudo a raça rubro-negra prevaleceu.

Ontem tivemos o Grêmio conquistando pela terceira vez a libertadores da América. O Brasil vai ao mundial vestido de azul e branco para mostrar aos pseudo favoritos do Real Madrid que a Espanha entende é de paella. De futebol entendemos nós. Vamos botar limão e pimenta nesse prato e vamos comer os merengues com um bom vinho gaúcho. Como somos gulosos, nesse festim da gula prevalecerá nosso bom e gostoso churrasco campeiro. Bah, tchê, vamos botar esses peados na roda e impor a Vitória. Afinal, temos que comemorar com churrasco, vinho e chimarrão.

Por aqui, não tenho dúvida. Após a final que ocorrerá no Maracanã, bradaremos que os argentinos entraram foi na taca outra vez e comemoraremos com feijoada carioca e muito chopp. Afinal, Flamengo é Rio. Rio é Brasil e somos futebol. Aqui argentino não canta de galo e se cantar vira canja.

Não adiantou secar, contrários. Chupa essa manga e acostuma com a idéia. Temos conversor de energia negativa em positiva. Joguem fora os memis que passaram o dia preparando e colecionando. Hoje vocês vão dormir com o couro tão quente quanto a vítima de hoje.

Que venha a final. O Brasil se vestirá de preto e vermelho outra vez e gritaremos juntos, uma vez mais, que o Flamengo é campeão.

Hahaha, hihihi, eu não consigo parar de rir.

Boa noite.