MAMÃE

Sempre que volto os olhos para o passado encontro em algum registo fonográfico as lembranças que procuro. Hoje lembrei que em 1978 meu pai adquiriu de seu grande amigo Benedito Buzar um chevete bege com toca-fitas e nele, a primeira a tocar era uma coletânea de Roberto Carlos. Foi a primeira vez que eu escutei a música Lady Laura. Seus versos, arrancados do fundo d’alma do autor, refletem como poucos o sentimento único de amor de um filho para com sua mãe.

“Tenho às vezes vontade de ser
Novamente um menino
E na hora do meu desespero
Gritar por você
Te pedir que me abrace
E me leve de volta pra casa
Que me conte uma história bonita
E me faça dormir

Só queria ouvir sua voz.
Me dizendo sorrindo:
Aproveite o seu tempo
Você ainda é um menino

Apesar da distância e do tempo
Eu não posso esconder
Tudo isso eu às vezes preciso
Escutar de você

Quantas vezes me sinto perdido
No meio da noite
Com problemas e angústias
Que só gente grande é que tem

Me afagando os cabelos
Você certamente diria:
Amanhã de manhã
Você vai se sair muito bem

Quando eu era criança
Podia chorar nos seus braços
E ouvir tanta coisa bonita
Na minha aflição

Nos momentos alegres
Sentado ao seu lado sorria
E nas horas difíceis podia
Apertar sua mão

Tenho às vezes vontade
De ser novamente um menino
Muito embora você sempre ache
Que eu ainda sou

Toda vez que te abraço
E te beijo sem nada dizer
Você diz tudo que eu preciso
Escutar de você”

Sempre que escuto essa música tenho a certeza de que o autor foi tocado por Deus. Quanta sabedoria e realidade em tão poucos versos! Quantos de nós não clamamos por elas nos momentos de aflição? Quantos não tiveram em seu colo afetuoso e na voz doce a segurança para um sono tranquilo? Quantos ainda hoje adultos procuram refúgio em seu ombro e encontram respostas às suas perguntas?

Penso naqueles que tem algum tipo de dificuldade e encontram nas mães uma fortaleza. Mesmo cansadas pela longa jornada diária são incansáveis no propósito de lhes trabalhar o caminho.

Tive a bênção de poder acompanhar o nascimento dos meus filhos. É impossível negar o vínculo maior entre mãe e filho. Elas lhes dão a vida. Carregam em seu ventre durante a gestação sendo com eles ligadas pelo cordão umbilical e mesmo após o nascimento é para os seus braços que primeiro retornam pro alimento inicial. Enfim, mãe é mãe.

Nos meus tempos de atleta, sempre que estávamos retornando de algum campeonato, eu costumava cantar a música fogão de lenha, imortalizada na voz de Chitãozinho e Xororó. Ela bem retrata o retorno para o carinho maternal.

“Espere minha mãe estou voltando
Que falta faz pra mim um beijo seu
O orvalho das manhãs cobrindo as flores
Um raio de luar que era tão meu
O sonho de grandeza, ó mãe querida
Um dia separou você e eu
Queria tanto ser alguém na vida
Apenas sou mais um que se perdeu

Pegue a viola, e a sanfona que eu tocava
Deixe um bule de café em cima do fogão
Fogão de lenha, e uma rede na varanda
Arrume tudo mãe querida, que seu filho vai voltar

Mãe eu lembro tanto a nossa casa
As coisas que falou quando eu saí
Lembro do meu pai que ficou triste
E nunca mais cantou depois que eu partí
Hoje eu já sei, ó mãe querida
Nas lições da vida eu aprendi
O que eu vim procurar aqui distante
Eu sempre tive tudo e tudo está ai”

Sei que não são eternas a não ser na lembrança e no amor. Sei que hoje, quando estiver ao lado da minha, inúmeros não terão a mesma sorte. Hoje abraçarei minha mãe de forma diferente. O farei na convicção da reflexão de hoje. Abraçarei a ela pelos amigos e parentes que já não podem abraçar as suas. Peço que aqueles que podem não percam a oportunidade. Abrace a sua e lhe diga: eu te amo, mamãe.

Feliz dia das mães.

Anúncios